terça-feira, 31 de maio de 2011

Siglas utilizadas nos rótulos dos alimentos

O Que São, Como São Utilizados, Onde São Encontrados ......
tudo o que você encontra nos produtos alimentícios, de higiene e cosméticos industrializados e precisa saber.

O objetivo é entender o que são realmente, para o que servem , suas composições, de onde provem.... e ver como identifica-los nos rótulos dos produtos.

Conservantes

Impedem ou retardam alterações provocadas nos alimentos pôr microorganismos ou enzimas, ou seja, é importante para manter o alimento consumível (livre de microrganismos prejudiciais à saúde) e também para que os alimentos durem mais tempo. Entretanto muitos produtos não necessitam de conservantes, já que passam por um processamento e que são embalados com embalagens adequadas, como por exemplo: as embalagens longa-vida.
São sempre representados com a letra P, nos rótulos.
Abaixo estão grande parte dos conservantes e suas abreviações

NOME

SIGLA

ÁCIDO BENZÓICO e seus sais de cálcio, potássio e sódio.
P.I
ÁCIDO SÓRBICO e seus sais de cálcio, potássio e sódio.
P.IV
DIOXIÓDO DE ENXOFRE: metabissulfito de sódio, de potácio, de cálcio, bissulfito de sódio, de cálcio, de potácio, sulfito de sódio, de cálcio e de potácio.
P.V
NATAMICIA (Pimaricina)
P.XII
NITRATO DE POTÁSSIO OU SÓDIO associado ou não a
NITRITO DE POTÁSSIO OU SÓDIO
PVII
NITRITO DE POTÁSSIO OU SÓDIO
P.VIII
PROPIONATO DE CÁLCIO, SÓDIO OU POTÁSSIO
P.IX
PARA-HIDROXIBENZENO DE METILA, PROPILA, ETILA E SEUS SAIS SÓDICOS
P.III

Corantes
Como o próprio nome diz conferem ou intensificam a cor natural dos alimentos, para melhorar sua aparência e aceitação. Os corantes naturais são extraídos de matérias-primas como frutos ou vegetais. É o caso do beta-caroteno (uma forma de vitamina A) e dos corantes de beterraba e clorofila. Porém, nem sempre se usa matérias primas naturais; quando não se consegue cores específicas são produzidas em laboratório; em sua maioria são tonalidades em vermelho e amarelo. São sempre representados com a letra C, nos rótulos Abaixo exemplos de corantes.

CORANTES NATURAIS
C.I
SINTÉTICOS IDÊNTICOS AOS NATURAIS
C.III
CARAMELO
C.V
CORANTES ARTIFICIAIS
C.II
CORANTES INORGÂNICOS
C.IV


Aromatizantes


Também conhecidos como flavorisantes (do inglês flavor que significa gosto paladar), realçam ou intensificam o sabor e o odor de alimentos. São necessários, pois alguns produtos perdem parte de seu aroma durante o processo de fabricação e armazenamento (em alimentos industrializados). Os aromatizantes podem ser naturais, artificiais e naturais reforçados. Os naturais mais utilizados são aromas de alho e cebola e no caso dos artificiais o aroma de baunilha. São sempre representados com a letra F, sendo F.I as essências naturais, e F.II as essências artificiais, porém ,normalmente estão escritos por extenso, como segue abaixo:

Quando o objetivo for o de conferir ao alimento um sabor definido:
  • Aroma Natural ou Natural Reforçado – sabor natural de... ou sabor de...
  • Aroma Reconstituído – sabor reconstituído de...
  • Aromo Imitação – sabor imitação de...
  • Aroma Artificial – sabor artificial de...
Quando o objetivo for o de reforçar o sabor de aroma natural já existente ou conferi-lhe sabor ou aroma não específico:
  • Aroma Natural – contém aromatizante natural de... ou contém aromatizante de... ou contém aromatizante natural composto
  • Aroma Natural Reforçado – contém aromatizante natural reforçado de...
  • Aroma Reconstituído – contém aromatizante reconstituído de...
  • Aroma Imitação – contém aromatizante imitação de ...
  • Aroma Artificial – aromatizado artificialmente
Aroma Natural de Fumaça – aroma natural de fumaça adicionado

Estabilizantes

Substâncias que facilitam a dissolução, aumentam a viscosidade dos ingredientes, ajudam a evitar a formação de cristais que afetariam a textura e mantêm a aparência homogênea do produto. Os estabilizantes, dificilmente são utilizados domesticamente, eles são mais requisitados para a produção industrial em produtos como: sorvetes, iogurtes e chocolates. Os estabilizantes são mais comuns são mono e diglicerídeos, produzidos a partir de óleos vegetais. São sempre representados pelas letras ET, grande parte dos estabilizantes estão abaixo:

ÁCIDO ALGÍNICO E SEUS SAIS DE AMÔNIO, CÁLCIO, SÓDIO, POTÁSSIO
ET.XXXVI
AGAR-AGAR
ET.XXXVIII
ÄCIDO META-TARTÁRICO
ET.XXXVII

AMIDO QUIMICAMENTE MODIFICADOS:

ACETATO DE AMIDO
ET.XXXIII

ADIPATO DE DIAMIDO ACETILADO
ET.XXXV

AMIDO OXIDADO
ET.XXXIX

AMIDO TRATADO POR ÁCIDO
ET.XXX

FOSFATO DIAMINO
ET.XXXI

FOSFATO MONOAMIDO
ET.XL

FOSFATO DE DIAMIDO FOSFATADO
ET.XLI

FOSFATO DE DIAMIDO ACETILADO
ET.XXXII

ACETATO ISOBUTIRATO DE SACAROSE (SAIB)
ET.XXII

ALGINATO DE PROPILENO GLICOL
ET.XXXVI

CARRAGENA - MUSGO IRLANDÊS
ET.X

CLORETO DE CÁLCIO
ET.XLIV

CARBOXIMETILCELULOSE (CMC) E SEU SAL SÓDICO
ET.XLII

CASEINA DE SÓDIO
ET.V

CELULOSE MICROCRISTALINA
ET.XX

CITRATO DE SÓDIO
ET.VI

CITRATO DE TRIETILA
ET.XLIII

DIACETIL TARTARATO DE MONO E DI-GLICERÍDEOS
ET.XXV

ESTEARATO DE POLIOXIETILENO GLICOL
ET.XXIII

ESTEAROIL-2-LACTIL-LACTO DE CÁLCIO
ET.VII

ESTEAROL-2-LACTIL-LACTATO DE SÓDIO
ET.VII

ÉSTERES DE ÁCIDO ACÉTICO DE MONO E DI-GLICERÍDEOS
ET.XLVI

ÉTERES DE ÁCIDO CÍTRICO DE MONO E DI-GLICERIDEOS
ET.XLVII
ÉSTERES DE ÁCIDO GRAXOS COMESTÍVEIS DE PROPILENO GLICEROL (ESTEARATO DE PROPILENO GLICOL)
ET.IX

FOSFATOS:
FOSFATO DISSÓDICO OU POTÁSSICO
ET.XXVIII
FUMARATO DE ESTEARILA E SÓDIO
ET.XXIV
GLUTACONATO DE CÁLCIO
ET.XLVIII
GOMAS:
ADRAGANTE
ET.L
ARÁBICA
ET.II
CARAIA
ET.LI
ESTER
ET.XIX
GUAR
ET.XXI
JATAÍ OU ALFARROBA
ET.LII
XANTANA
ET.XXXVII
HIDÓXIDO DE CÁLCIO
ET.XXXIV
LECITINAS (FOSFOLIPÍDEOS, FOSFATÍDEOS E FOSFOTEÍNAS)
ET.I
MONO E DI-GLICERÍDEOS DE ÁCIDOS GRAXOS COMESTÍVEIS
ET.III
MONOESTEARATO DE SORBITANA
ET.XII
MONOPALMITATO DE SORBITANA
ET.XI
POLIFOSFATO:
HEXAMETAFOSFATO DE SÓDIO, METAFOSFATOS DE SÓDIO OU POTÁSSIO, PIROFOSFATOS DE SÓDIO OU POTÁSSIO, TRIPOLIFOSFATOS DE SÓDIO OU POTÁSSIO
ET.IV
POLISORBATO 80
ET.XVI
POLISORBATO 65
ET.XV
POLISORBATO 60
ET.XIV
POLISORBATO 40
ET.XVIII
POLISORBATO 20 (ASSOCIADOS A MONO E DI-GLICERÍDEOS)
ET.XVII
SULFATO DE CÁLCIO
ET.LIII
TARTARATO DE SÓDIO
ET.XXIX
TRIESTEARATO DE SORBITANA
ET.XIII

Espessantes

Têm a finalidade de aumentar a viscosidade dos alimentos, ou seja, condensar, engrossar. Este também é mais utilizado pela indústria em produtos como: iogurtes, requeijão, geléias, detergente, shampoo... quase tudo que tem consistência e você acha que é bom porque é grosso..... São representados com as letras EP, exemplos abaixo:


ÁCIDO ALGÍNICO E SEUS SAIS DE AMÔNIO,, CÁCIO, SÓDIO E POTÁCIO
EP.II
AGAR-AGAR
EP.I
CARBOXIMETICELULÓSE E SEU SAL SÓDICO
EP.III
CELULOSE MICROCRISTALINA
EP.XI
GOMA ADRAGANTE
EP.IV
GOMA ARÁBICA
EP.V
GAMA CARAIA
EP.VI
GOMA GUAR
EP.VII
GOMA DE ALFARROBA OU JATAÍ
EP.VIII
GOMA XANTANA
EP.XIII
MUSGO IRLANDÊS (CARRAGENA, FURCELANA)
EP.X

Acidulantes
Conferem ou acentuam o sabor ácido dos alimentos. São mais usados em bebidas, para dar o sabor ácido ou agridoce, imitando o gosto das frutas. Também são utilizados para ajustar o pH dos produtos. Agem como conservantes e são representados com a letra H, como segue nos exemplos abaixo:

ÁCIDO ADÍPICO
H.I
ÁCIDO CITRICO
H.II
ÁCIDO FOSFÓRICO
H.III
ÁCIDO FUMÁRICO
H.IV
ÁCIDO LÁCTICO
H.IV
ÁCIDO MÁGICO
H.III
ÁCIDO TARTÁREO
H.II
ÁCIDO GLUTONA DELTA XANTANA
H.

Edulcorastes

São substâncias de sabor doce que substituem os açúcares com o objetivo de diminuir o valor calórico do alimento ou elaborar produtos destinados às pessoas que devem evitar o consumo de determinados açúcares. Na indústria ele é utilizado na fabricação de produtos light e dietético. Os edulcorastes mais conhecidos são: o aspartame e a sacarina. São representados pela letra D, mas normalmente são escritos por extenso.

ARTIFICIAIS:
ASPAREM CALOIRO "ADVERTÊNCIA PARA FENILCETONÚRICOS
Por extenso
CICLAMINOS NÃO CALÓRICOS
Por extenso
SACARINA NÃO CALÓRICA
Por extenso

NATURAIS:
ESTEVIOSÍDEO NÃO CALÓRICO
Por extenso
SORBITANA CALÓRICA
Por extenso
MATINAL CALORÍCO
Por extenso


Umectantes e Anti-umectantes
Umectantes são substâncias que retêm água, evitando o ressecamento do alimento, são muito utilizados em doces com recheio, chocolates e bolachas. Os antiu-mectantes, ao contrário, evitam a absorção de umidade, são utilizados em macarrões, massa de pizza, lasanha. São representados pela letra U, como nos exemplos abaixo:
UMECTANTES:
DIACETIL SULFOSSUCCINATO DE SÓDIO
U.I.
GLICEROL
U.I.
LACTATO DE SÓDIO
C.V
PROPILENO GLICOL
U.I.
SORBITANA
U.I.
ANTIU-MECTANTES
FOSFATO TRICICLO
ET.III

Antioxidantes

Evitam a rancidificação, ou oxidação das gorduras (principalmente) em alimentos ricos nessas substâncias, principalmente em produtos como margarinas, manteigas e maioneses. A vitamina C, ou ácido SÓRBICO, são freqüentemente utilizados como antioxidante. São representados pela letra A, como nos exemplos a seguir:

ÁCIDO SÓRBICO
(A.C. – SÓRBICO e seus sais de potássio, sódio e cálcio)
A.
ÁCIDO CÍTRICO
AI
ÁCIDO ISOASCÓRBICO ou Eritórbico e seu sal de sódio
ET.XIV
ÁCIDO FOSFÓRICO
AI
BUTIL-HIDROXI-ANISOL (BA)
AV.
BUTIL-HIDROXI-TOLUENO (BHT)
A.V.
CITRATO DE MONOGLICERÍDEO
ET.XXI
CLORETO DE MONOISOPROPILA
A.V.
CLORETO ESTONAS
AS
EDTA– Ácido dissocio (etilenodiaminotetracetato DIAMIDO dissocio)
P.XII
EDTA- Cálcio dissocio (etilenoaminotetracetato de cálcio e dissocio)
P.XII
LECITINAS (FOSFOLIPÍDEOS, FOSFOTEÍNAS, fosfatados)
A.V.
PALMITATO de ascorbila e estearato de ascorbila
ET.XV
TER- Butil-hidroquina (TBHQ)
ET.XIX
TOCOFERÓIS
P.XII

Espumíferos e Antiespumíferos

Substâncias que alteram e controlam a capacidade dos líquidos de formar espuma de acordo com o efeito desejado no alimento. Não sei com que letra são representados, arrisco dizer que a letra poder ser ES. Esse tipo de aditivo por ser muito prejudicial a saúde humana, não são muito utilizados.

Introdução
A legislação brasileira define aditivos alimentares como: "substâncias intencionalmente adicionadas aos alimentos com o objetivo de conservar, intensificar ou modificar suas propriedades, desde que não prejudiquem seu valor nutritivo".
Apesar da legislação resumir bem o que são os aditivos alimentares vou dar uma pequena introdução histórica para entendermos de onde vem os aditivos:
O homem, muito antes do que imaginamos, já se utilizava de técnicas diversas para conservar seus alimentos, a primeira delas deve ter sido a defumação só se necessitava de fogo e da carne, assim o homem primitivo percebeu que a carne durava mais do que quando estava crua. A secagem e a desidratação surgiriam logo em seguida, quando o homem observou que alguns frutos mesmo após de secos ( essa a secagem), ou quando esposos ao sol murchavam (essa a desidratação) e continuavam comestíveis.
Mas tarde com o inicio da vida sedentária o homem começa a Ter que infernar invernos rigorosos, com isso sentiu a necessidade de aprimorar as técnicas. A adição de açúcar em frutas as transformavam em compotas, que resistiam mais sobre a deterioração. A transformação de alguns alimentos em outros mais duráveis, através do processo de fermentação, a cevada e a uva se transformaram em cerveja e vinho. A salga de carnes foi muito utilizada nas embarcações utilizadas nos séculos XV e XVI, um processo em que se colocava sal na carne e a deixavam secando ao sol.
Atualmente as industrias dispõem de um grande numero de técnicas para conservar e aprimorar os alimentos, que são importantes para garantir a disponibilidade destes, levando em conta que muitas pessoas vivem em centros urbanos, distante dos centros de produção agrícola, além criar uma variedade maior ao longo do ano sem depender da safra. Permite também a inovação de produtos, adequando-os ao paladar das pessoas.

Quais os limites para os aditivos
Se por um lado os aditivos são bons para conservar, dar gosto etc, eles possuem seu lado ruim que muitas vezes deixamos de lado.
Observando a legislação, veremos que há falhas. Analisaremos em especial o artigo 8º, que apresenta Os parágrafos mais polêmicos:
"É vetado o uso de aditivos quando:
§ 1º Houver evidencia ou suspeita de que o mesmo possui toxicidade atual ou potencial.
§ 2º Interferir sensível e desfavoravelmente no valor nutritivo dos alimentos.
§ 3º Induzir o consumo a um erro, engano ou confusão.

ADITIVO
Problema causado
Fosfolipídeos
Colesterol e arteriosclerose
Aromatizantes
Alergias, crescimento retardado e câncer
Sacarina
Câncer
Nitritos e nitratos
Câncer no estômago e esôfago
Acido benzóico, polissorbados e umectantes
Alergias e disturbios gastrointestinais
Ácido fosfórico
Cálculo na bexiga
Dioxido de enxofre
Redução do nível de vitamina B 1 e mutações genéticas
Corantes
Anemia, alergias e toxicidade sobre fetos, podendo nascer crianças com malformações
Ácido acético
Cirrose hepática, descalcificação de ossos
BHT e BHA
Tóxicos aos rins e fígado, e interfere na reprodução
EDTA
Anemia e descalcificação
Caramelo
Convulsões quando preparado em desacordo

Com este quadro podemos observar que e legislação entra em contradição ao liberar o uso de substâncias como as citadas acima. No primeiro parágrafo, temos a tabela que apresenta algumas suspeitas e problemas já constatados. O segundo parágrafo erra quando muitos alimentos nutritivos são substituídos por substâncias que não podem ser aproveitadas favoravelmente pelo organismo. O butirato de etila é um exemplo, pois é utilizado para dar um sabor artificial de manteiga, os estabilizantes ET.XIV e ET.XIII são tensoativos, ou seja, detergentes, e são usados para dar viscosidade às maioneses.
Em alguns países, o uso de ciclamatos, consumidos como adoçantes, está proibido em quaisquer condições, por serem comprovadamente causadores de câncer. Contudo o Brasil continua utilizando como adoçantes, sem restrição alguma.

Até algum tempo atrás certas indústrias utilizavam antibióticos como conservantes do leite. Isso era um problema muito grave pois o consumo excessivo de antibióticos prejudica a flora intestinal, alem disso algumas bactérias podem sofrer mutações tornando-se imune a esses medicamentos.
O pior de todos os problemas encontramos nos doces como: balas e chicletes, onde se utiliza EP.V, mais conhecida como goma arábica (aquela cola que usamos nos correios, ou para fazer pipas etc) é utilizada como espessantes, para substituir o amido.

Como os Aditivos São Utilizados Pela Indústria.
A maior parte dos alimentos industrializados passam por diversos processos que podem interferir na sua qualidade e no seu valor nutricional. Vamos verificar alguns casos.

Leite
Logo após a ordenha, o leite é colocado em tambores, que diversas vezes ficam expostos ao ar livre, até serem transportados. Na usina, uma pequena amostra é misturada a um mesmo volume de reagente chamado alisarol, que verifica a qualidade do leite.


Tipo do leite
Cor, aspecto ou tonalidade
Fresco
Estragado
Ácido
Alcalino
Salmão
Coagula
Amarelo
Violeta

Obs. Durante a pasteurização, o leite tende a coagular.
O leite aprovado é encaminhado a uma desnatadeira, que lhe retirará 1% dos 4% de gordura, transformando-o em leite tipo C. Já o leite desnatado é destituído de sua parte nobre, a gordura, e é vendido com o nome de diet ou light.
A gordura extraída tem muita utilidade, como por exemplo a manteiga ( 80% de gordura e 20% de água), além de iogurtes, cremes e doces.
Contudo as fraudes acontecem antes, como por exemplo a adição de antiácidos (bicarbonato de sódio e soda cáustica) que impedem a identificação dos ácidos provenientes da fermentação.
Formol (usado para conservar defuntos), água oxigenada, cloro e antibióticos são usados para impedir a ação das bactérias, e o cloro funciona ainda como alvejante para o leite. O formol pode reagir com o leite e formar o metanol.
O antibiótico muitas vezes pode ter vindo da própria vaca que estava em tratamento, nesse caso ele pode ser definido como "aditivo acidental" (que iremos ver mais para frente), quando isso ocorre só é identificado pelas usinas na hora da fabricação de queijos e iogurtes, que acabam não fermentando.
A classificação do leite também pode variar de acordo com as técnicas utilizadas na ordenha:
Leite A- inteiramente automatizado, sendo completamente processado na própria propriedade.
Leite B- apenas a ordenha é mecanizada, os procedimentos restantes ficam por conta da usina.
Leite C- a ordenha é manual, os procedimentos seguintes são por conta da usina.
Como se pode observar, o risco de contaminação do leite varia com a classificação dele, e os critérios adotados variam de acordo com quem o processa.
A tabela a seguir resume a composição do leite.

Tipos de leite
Composição ou origem
A
B
C
Light ou diet
100% integral
não desnatado
75% de gordura
sem gordura (desnatado)

Carnes
A indústria alimentícia tem três mandamentos básicos, que são: conservar, aproveitar e vender.
Peixes e carnes em geral são conservados e tratados desde o abate. Os peixes são conservados com um antibiótico (tetraciclina) e bissulfito, enquanto as carnes recebem os nitratos e os nitritos que as deixam vermelhinhas.
O sabor e o aroma das carnes dependem da ação dos nitritos e nitratos, e podem ser acentuados pela ação do glutamato monossódico (ajinomoto), que estimula as papilas gustativas.
Ingredientes usados para fabricar salsichas
- Carne bovina moída
- Miolos de porcos
- Sal de cozinha
- Proteínas texturizadas de soja (1/3 no total), podendo ser substituídas por papel-jornal ou papelão
- Polifosfato—ET.IV
- Nitrito—P.VIII
- Glucona delta-lactona—H.X
- Ácido ascórbico
Processo usado para a fabricação da salsicha
A carne é misturada e submetida à pasteurização, a seguir é cozida com os demais ingredientes por catorze horas. Por fim é embalada em invólucros préfabricados e coloridos artificialmente.
Obs. É possível ainda encontrarmos na salsicha o dietilestibestrol (DES), um hormônio atua em nosso organismo como anabolizante, o mesmo tipo de substancia usada por Bem Jonhson nas Olimpíadas de Seul.

A principio, o acréscimo de aditivos tem por objetivo eliminar a bactéria Clostridium botulium, causadora do botulismo. Essa bactéria não deteriora o alimento, mas se aloja na forma de esporos que, quando consumidos, encontram condições favoráveis à sua reprodução. Sendo assim, há produção de uma toxina que pode matar um indivíduo em 72 horas.
O mais engraçado é que o mesmo aditivo que previne a morte poderá futuramente causá-la. Os nitratos são transformados em nitritos. Estes em conjunto com o ácido nitroso, que por reação com nitrosaminas, são cancerígenos.
nitritos + ácido clorídrico ® ácido nitroso + amina nitrosamina = câncer

Atualmente muitas empresas vêm estudando o aproveitamento de outros tipos de carnes. A minhoca poderia ser uma grande aliada para a fome do mundo, pois sua carne é muito rica em proteínas (76%). Em diversos países, a fome tem obrigado o povo a se alimentar de inúmeras espécies de animais, como lagartas, ratos, cachorros, etc.

Utilidades da minhoca.
Húmus- Os excrementos das minhocas representam um estupendo adubo orgânico. O húmus produzido por elas tem cinco vezes mais cálcio, duas vezes e meia mais magnésio, sete vezes mais fósforo e onze vezes mais potássio que o solo de onde é extraido.
Carne- É proteína quase pura, um alimento excelente para aves de todas as espécies, para rãs, peixes e para o homem também. Quem tiver a má sorte de se perder numa floresta, engula seco e lembre bem: quatro minhocas bastam para satisfazer as nossas necessidades de energia por dia.
Medicamentos- Os orientais utilizavam a minhoca, há muito tempo em forma de chá, contra asma, bronquite e hipertensão. Algumas substâncias produzidas em seu tubo digestivo são como a lumbrofoebrina, por exemplo, que tem efeitos positivos no tratamento de paralisia cerebral. Alguns criadores contam que sentem uma leve alteração nos sentidos quando aspiram o ar próximo a um grupo de minhocas- e passam a ver cores mais intensamente.

O aproveitamento de diversas partes dos animais tem sido comum há séculos. Tomemos como exemplo Os ingredientes da feijoada, que fazem parte da cultura popular desde o tempo da escravidão. Na realidade, a feijoada surgiu do aproveitamento dos restos de animais que eram desprezados pela cozinha dos nobres.
Infelizmente, existe abuso por parte de alguns frigoríficos . cabeça, bucho, papada de boi, miolos e até carne de animais doentes são aproveitados para a confecção de hambúrgueres, apresuntados, patês, salsichas, mortadelas, etc.
"Como aproveitar" é o lema. Até pesquisadores da USP pretendem aproveitar o sangue de boi para e merenda escolar na rede pública.
Sangue de boi
O Setor de Alimentos e Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP está adaptando a receita de um médico chileno para reforçar a merenda escolar. É um biscoito à base de sangue de boi, rico em proteínas e ferro, que poderá fazer parte da alimentação dos alunos da rede estadual.

Bebidas
Dentre Os refrigerantes, o guaraná é o que contém menor teor de aditivos. Graças a suas propriedades naturais, dispensa o uso de ácido fosfórico, óleo bromado e corantes artificiais (usa apenas o caramelo).
A cerveja recebe a vitamina C como antioxidante. Já o vinho e os sucos de frutas usam o dióxido (que em excesso provoca náuseas, vômitos e diarréias) de enxofre como conservante, (sem isso o vinho viraria vinagre)

Frutas
As frutas sofrem manipulações desde a colheita. A banana e o caqui, por exemplo, são maturados em galpões fechados com a presença do gás eteno.
A casca da banana é decomposta com facilidade por fungos, para que isso não ocorra é tratada com um antibiótico chamado nistatina.
A laranja possui um antioxidande natural, o ácido ascórbico (vitamina C), que destrói os vírus, porem sua decomposição é feita principalmente pela ação dos fungos.

Doces, salgados ...

Muitos industriais procuram tirar proveito do consumidor. O chantili e o sorvete, embora não sejam líquidos, são vendidos por litro, já que possuem baixa densidade, podemos perceber isso quando o sorvete derrete e seu volume diminui.

O chocolate é proveniente do cacau, que é torrado e moído para receber açúcar, leite em pó, lecitina de soja, vanila (aroma artificial de baunilha) e complementos como frutas e castanhas. A seguir é submetido a processos ..... que o deixam macio, cremoso, com brilho e textura apropriados, para finalmente ser enformado e estocado a 18ºC e 65% de umidade o que e praticamente impossível em um país tropical logo precisa de umas coisitas mais, para não perderem a consistência como por exemplo .... parafina e, então ... transportados a 35ºC no Rio de Janeiro e vendido na barraquinha da esquina sob um sol de 42ºC ..... que depois de passarem dias no sol, amolecerem e endurecerem outra vez, e ficam “meio esbranquiçados”.....

O chiclete, ou goma de mascar surgiu de uma árvore denominada abeto, cuja seiva de matéria prima foi utilizada para as primeiras gomas do mercado. Como o abeto era usado para outros fins, como papel de imprensa, por exemplo, sua exploração comercial quase o extinguiu. A partir daí o abeto foi substituindo pela parafina de vela, que era adoçada e comercializada.
Mas o destruidor dos dentes surgiu graças a um dentista chamado William Semple, que usou a borracha como matéria-prima na fabricação de gomas para exercitar a mandíbula e estimular as gengivas.

A gelatina é composta de proteínas dispersáveis em água. Ela é classificada como colágeno, que é obtido a partir de ossos do tecido conjuntivo de animais. Conforme a temperatura, adquire o aspecto conhecido.
Algumas geléias são apenas preparados ricos em substâncias gelatinosas (mocotó, ossos e patas de certos animais, espinhas e peles de peixe), que são coradas, aciduladas e aromatizadas, etc....


Requeijão ..... uhmmmm que delícia! .... quanto mais grossinho mais verdadeiro e genuíno .... mistura de leite, aromatizante, flavorizante, conservantes, espessantes, gomas, amidos (conhecida como Maisena) é quase um mingau de tudo que, no pão quentinho chega até derreter! Claro, com calor todos estes produtos que foram adicionados assumem “outra” forma, mas depois que volta para a geladeira ... tudo volta ao “normal”, ou melhor ao estado de quando se comprou.

Iogurtes pouca diferença do requeijão ......

Catchup .. uma mistura básica de banana, corante, acidulante, flavorizante, conservante, expessante, temperos etcs. e .... um pouquinho de tomate!!!

Mostarda .... praticamente igual ao catchup, sendo que ao invés do tomate entra um pouquinho de mostarda!



Aditivos Acidentais
Os aditivos acidentais são aqueles que estão nos alimentos de forma não intencional. São exemplos desses aditivos:
Resíduos de agrotóxicos utilizados no combate as pragas e que permanecem nos vegetais, contaminando inclusive os animais que se alimentam deles. Ao ingerirmos esses vegetais e animais, ingerimos também pequena parcela de agrotóxicos. O emprego abusivo de agrotóxicos e a colheita de vegetais antes do término do período de carência são responsáveis pela contaminação dos alimentos, que tem atingido níveis alarmantes em alguns países, como o Brasil, onde se constata, por exemplo, a presença de DDT (um pesticida largamente utilizado).
Resíduos de antibióticos utilizados no combate as doenças do gado e das aves que são encontrados nas carnes e no leite, incorporam-se, assim no nosso organismo;.
Detergentes utilizados na limpeza das máquinas processadoras de alimentos;
Óleos usados na lubrificação das máquinas, principalmente na industria de panificação ;
Substâncias utilizadas na fabricação de embalagens, capazes de contaminar os alimentos.
Difícil de acontecer é a contaminação radioativa, que pode ocorrer pela utilização de armas nucleares, ou por acidente em usinas nucleares, como por exemplo a usina de Chernobyl, na Ucrânia, antiga União Soviética.



Nenhum comentário:

Postar um comentário